terça-feira, 28 de dezembro de 2010

A função pública vai bem (mal) de saúde


Aproveitei a estadia por terras insulares para recolher documentos que irei precisar em breve para um trabalho académico. Documentos estes que não consigo em mais lado nenhum visto serem:
1. Carta de Foral que elevou a minha terra a vila
2. primeiras actas de vereação municipal

Como conheço uma das pessoas responsáveis pelo arquivo municipal, logo cedo liguei-lhe a perguntar se era possível fotocopiar a documentação. Com a maior das sinceridades respondeu-me que não tinha a certeza se as relíquias estariam no arquivo, visto não haver uma base de dados (ah, assim facilita muito mais) mas que contactasse com um dos historiadores - a quem vou chamar T - que também conheço, pois tudo o que lá havia teria passado pelos suas mãos. E assim fiz, fui falar pessoalmente com T que infelizmente informou-me que a carta de Foral da minha terra está em paradeiro incerto há uns séculos mas que houve quem tenha feito uma tentativa de reconstituição com base em bla bla bla não me cheirando a coisa fiável, desisti logo dessa parte. No entanto, cedeu-me a cota de um livros que se encontrariam na biblioteca municipal onde constavam as actas transcritas, ou seja, "traduzidas" para português que consiga ler.
Chegada à Biblioteca, antes de explicar exactamente o que queria já estava eu no meio do arquivo entre todas aquelas actas originais para mim, que passo ao lado da paleologia, ilegíveis.
Fui então à parte dos livros, à biblioteca, portanto e dirigi-me à responsável, a quem vou chamar F, e expliquei-lhe o que queria e a conversa foi assim:
F - Não sei se temos isso
Eu - Mas falei com T e disse que sim. Tenho aqui a cota.
F - Se o T diz que há então ele que venha cá ver!
(silêncio)
Eu - Mas não pode ver na base de dados?
F - Não sei se funciona
Eu - (wtf?!) Não pode experimentar
F - Vou abrir o programa
Eu - (cristo!)
F - Pois, diz que há.
Eu - Então queria levar, pf
F - Vou ver onde está
(entre os corredores)
Eu - Mas não sabe em que secção se encontra esta cota?
F - Não sei, está tudo misturado. Cá pra mim levaram e não trouxeram.
Eu - Mas não há controlo nas entradas e saídas?
F - (olhar de "que queres dizer com controlo?")

Depois de uma intensa procura, desisti e lá fui eu para casa sem nada.
Aproveitei que estava perto da CM e fui buscar as papelada para votar por voto antecipado.
Entrei na CM e na recepção foi assim:

Eu - bom dia. Com quem posso falar por causa dos votos antecipados?
Recepcionista - Que votos?
Eu - (em tom desesperado) Para as Presidenciais!
Recp - Para as presidenciais? Não sei se é possível!
(silêncio e olhos revirados)
Eu - Com quem é que posso falar por causa dos votos antecipados, pf?


(a foto é resultante da procura "função pública" no google)

2 comentários:

Teresa disse...

Faz-me lembrar uma situação que aconteceu num arquivo em que as senhoras decidiram catalogar os livros por cores, ora.. o que interessa se é literatura, política, religião, filosofia, o que interessa é se a capa( que muda consoante as edições) é azul ou verde:) imagino a procura herculeana:)

Teresa disse...

Faz-me lembrar uma situação que aconteceu num arquivo em que as senhoras decidiram catalogar os livros por cores, ora.. o que interessa se é literatura, política, religião, filosofia, o que interessa é se a capa( que muda consoante as edições) é azul ou verde:) imagino a procura herculeana:)